O Big Bang da inovação

2
fev
2015

Por: Gil Giardelli

A inovação não tem idade — é um aprendizado contínuo. No curso de MBA da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), onde leciono, recebo todas as semanas uma aluna septuagenária, otimista, elegante e interessada em aprender. Ao lado dela senta um perspicaz jovem executivo de 20 e poucos anos e com muita garra para ascender.

A inovação não tem grau na hierarquia, mas requer senso de oportunidade. Presenciei há poucos dias o presidente de uma grande empresa financeira fazendo um apelo a todos os seus 12 diretores: “Precisamos criar um ambiente inovador”. Talvez devesse ouvir o atendente de call center que ganhou um prêmio de inovação ao sugerir um processo que economizou dezenas de milhares de reais em sua empresa. E que, ao ganhar o prêmio, contou que a ideia revolucionária foi da mãe, que tinha pouco estudo, mas aprendeu muito na escola da vida.

A inovação não tem idade, mas pede novos olhares. Vamos entender o conceito de growth hacker, técnica de marketing usada nas startups mais inovadoras, como Airbnb, Twitter e Dropbox. Nessas empresas, que nascem pequenas, com pouco dinheiro em caixa, a estratégia é focar o crescimento com uso máximo de recursos tecnológicos e conexão com os clientes — não é o que todo mundo deveria fazer? Seja um hacker do crescimento.

A inovação não tem idade, mas pede velocidade. Se o assunto pressa no trabalho lhe dá calafrios, prepare-se. Para dois consultores de estratégia americanos, Paul Nunes e Larry Downes, velocidade é o mais valioso bem que você pode ter nos negócios hoje em dia.

Essa é a conclusão do livro que a dupla lançou em janeiro deste ano, Big Bang Disruption: Strategy in the Age of Devastating Innovation — título que, numa eventual tradução para o português, seria “Rompimento Big Bang: a estratégia na era da inovação devastadora”.

A obra não tem edição brasileira e custa 19 dólares na Amazon. Segundo os autores, a evolução de uma inovação, que antes era representada por um gráfico em forma de morro com leve subida, hoje tem a forma de uma barbatana de tubarão, dizimando tecnologias e criando ciclos de vida curtíssimos de produtos e serviços. Não fique parado esperando o trem-bala da inovação passar. Movimente-se na velocidade do estudar e fazer. E boa viagem!

Sobre Gil Giardelli

Estudioso da Cultura Digital, com mais de 15 anos de experiência. É web ativista, difusor de conceitos e atividades ligados à sociedade em rede, colaboração humana, economia criativa e inovação digital, entre outras qualificações. Por onde passa, difunde ideias inovadoras e inspira o empreendedorismo social no Brasil através de suas palestras, aulas e conteúdo compartilhado nas redes sociais.

Fonte: TI Especialistas

Add Comment

Your email address will not be published.

dois + quinze =