Search
+55 (11) 3358-7700

WWW já foi blockchain e em breve blockchain será WWW

Foi assim com todas as tecnologias populares. Elas começaram como assunto de interesse apenas de um grupo de iluminados idealistas. Aos poucos ganharam espaços. Atraíram olhares. Revelaram possibilidades maiores do que se imaginava. E quando menos se percebeu, elas já haviam se tornado tão comuns a ponto de até deixarem de ser assunto.

Ninguém faz longas conversas, por exemplo, sobre como é que a luz acende simplesmente pelo fato de você tocar num interruptor. Da mesma forma, poucos se preocupam em saber a ciência que leva multidões aos ambientes virtuais desejados sempre que se digita três vezes a letra ‘w’ antes de alguma palavra que faz referência a estes ‘locais’.

É justamente esse tipo de ‘banalização’, no bom sentido, que deve acontecer em breve como o blockchain. E quem faz essa profecia é ninguém e ninguém menos do que a pessoa responsável pela criação, em 1989, do código WWW, o famoso World Wide Web.

Trata-se do cientista Tim Berners-Lee, que falou sobre o assunto na semana passada em uma conferência em, Toronto, no Canadá. Segundo ele, o blockchain será cada vez mais usado na manutenção de registros por bancos e comércios, além de passar a ser usado também por cidadãos comuns muito em breve.

Na avaliação do cientista, publicada em uma matéria do site CriptomoedasFácil.Com, isso acontecerá justamente porque os benefícios alcançados pela criação de registros permanentes e invioláveis em uma rede de computadores, possibilidade criada pelo blockchain, é um desafio que caminha junto com a Internet. Berners-Lee afirma que o blockchain e a web se conectarão de muitas maneiras.

Em uma entrevista concedida à revista Fortune, ele explicou com maior profundidade o pensamento e disse que os navegadores da web servem como principal maneira de usuários experimentarem a maioria das novas tecnologias e não será diferente com o blockchain.

Segundo ele, navegadores como o Chrome e o Firefox oferecerão maneiras fáceis para que as pessoas que não são do ramo da tecnologia possam usar o Blockchain, permitindo que todos se beneficiem de recursos de segurança providos pela tecnologia.

Além disso, Lee afirma que os especialistas já estão trabalhando para desenvolver tipos variados de novos experimentos em browsers com este objetivo. O cientista revelou que no momento existem duas interfaces surgindo para navegadores. Uma delas seria dedicada a sites de pagamentos e a outra tem como foco a autenticação na web de forma que, ao invés da necessidade das senhas usadas atualmente, o próprio navegador irá gerenciar a identidade do usuário.

Seja como for, no entendimento do criador do www, assim como aconteceu com sua criatura, o blockchain passará por um ciclo de evolução que tantas outras tecnologias já experimentaram e, num período não muito distante, estaremos fazendo tantas coisas em blockchain que parecerá uma perda de tempo sem sentido alguém perguntar como funciona ou para que serve o blockchain.